sábado, 26 de janeiro de 2013

Bruma

Iluminas a minha noite
Quebrando todas as regras,
Libertas as sombras
Esmaecidas, levando a lua a
Ajoelhar-se, solitária,
Compondo doces melodias,
Erguendo castelos de sonhos
Agigantados pelo brilho
Desconcertante do momento...
Amanheces ao longe, envolto
Na bruma dispersa ao vento,
Atento e misterioso numa
Singularidade inesperada.
Navego ao largo,
Esperando que embarques
Aconchegado no calor da
Fogueira que me ofusca os sentidos
E lapida a vontade...
Partilho de um sono inquieto,
Acometido de visões estranhas
E ósculos sequiosos.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Entrega



Quebraste as correntes que me sustinham à superfície, que me impediam de aventurar no desconhecido, despedaçaste os grilhões que travavam o mergulho às profundezas do inconsciente e me refreavam de explorar o recôndito das tentações secretas.

Despi-me do morno, do banal, do padrão, deixando as portas abertas à magnitude da sensualidade, na ânsia de saborear a pele salgada que se enlaça numa entrega por inteiro, partilhando a plenitude num auge de luz incandescente que me algema à fantasia...

Sinto-me eclodir num despertar ambíguo, em que os corpos vibram e as almas se unem.

domingo, 20 de janeiro de 2013

Chama



Consumo-me numa chama ardente que se insinua, distraída, acariciando-me os sonhos nus com o seu véu transparente, pejado de mistério.

O crepúsculo abraça-me, numa dança voluptuosa, as gotas de chuva escorrem na pele provocando arrepios, enquanto te sinto à minha volta, fazendo o teu  riso ecoar no silêncio e o meu coração pulsar num compasso desenfreado...

A respiração entrecortada faz-se ouvir na noite, ofegante, livre, cuja memória se perpetua além do tempo e da vida, num amplexo pleno de desejo.


sábado, 19 de janeiro de 2013

Metrópole



O trânsito flui ordenadamente, nesta noite. As luzes e as estrelas iluminam a metrópole, que se prepara para nos acolher no seu abraço. O ar tépido que me envolve, lembra-me o calor das tuas mãos, o fogo no teu olhar, o riso inquieto que me alcança com astúcia, e me deslumbra com a sua beleza.

O luar segue-me, acompanha-me nesta viagem que se vislumbra, o teu semblante curioso, sedutor, indica timidamente o caminho, inspirando emoções intensas que se mantêm latentes, a aguardar o acelerar das pulsações e o culminar dos ternos beijos que pairam na imaginação dos deuses.

sábado, 12 de janeiro de 2013

Floresta



O céu cinzento, entristecido, incompleto, irradia uma luminosidade melancólica que se entranha.

Avanço através da floresta por um caminho sinuoso, pejado de árvores frondosas cuja sombra me abraça num prazer aconchegante. As salamandras acompanham-me na vigília através de pequenos sinais, indicando passagens secretas que desembocam em clareiras mágicas, momentos nos quais a plenitude invade a alma e a sintonia nos entrelaça.

O olhar mantem-se perdido no tempo, recordando palavras, ateando fogueiras, vogando pelos mistérios da floresta. As sensações ascendem, transcendendo o mundano, abandonando a realidade para mergulhar num frémito que se apodera, no infinito ao alcance do toque, no desejo que se manifesta.

A paisagem serena da clareira contrasta com a convulsão de emoções que nascem do encontro inesperado do destino. Repouso num leito verde de vida e o cabelo rubro cintila, criando notas iridiscentes no crepúsculo.

A floresta é agora o meu refúgio, nela me completo, nela me perco e encontro, nela me aprisiono à liberdade, sem receios.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Sombras




Nas sombras, o tear confunde o destino.

A madrugada jaz adormecida no leito, enquanto o sonho busca a liberdade.

Sem amarras ou limites, sem destino ou fronteiras, somente a chama renascida do nada que foram cinzas, buscando a luz no outro lado do espelho…

Com o pensamento nas mãos e o destino ao sabor da brisa, sinto-me finalmente viva.



.

sábado, 5 de janeiro de 2013

Tempo que se arrasta



Os segundos arrastam-se penosa e lentamente, como que indecisos, incertos do futuro, da decisão a tomar, do caminho a seguir...

 Podem avançar velozmente rumo ao próximo encontro, para a luz, qual raio de sol que aquece, faz vibrar os sentidos e anima o ser.... A cada dia que avança, o minuto do reencontro é aguardado com ânsia redobrada, a mente deambula, mas o coração pula até à estratosfera, como que admoestando , lembrando que há algo, alguém, cuja ausência se tornou dolorosa. Como que um vazio que sufoca, oprime e obriga pensamentos e emoções a convergir apenas numa direcção...

Porém, é doce o saborear a mais pequena lembrança dos sentimentos espelhados no olhar, transmitidos em contactos subtis de pele ardente e alma exaltada, num toque que se quer prolongar para além do tempo, que se impregna no âmago do ser... Os corpos aproximam-se instintivamente, sem que tomem verdadeira consciência do magnetismo que os atrai... Puros os instintos, complicada a mente.....

Os segundos arrastam-se, os relógios conspiram, a noite prolonga-se indefinidamente... Tento adormecer para que o tempo voe, mas o luar não te substitui...



.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Máscaras

Fecho os olhos,
Embalada pela brisa
Que me aconchega,
Me abraça e aquece,
Me faz rodopiar
Num turbilhão cego
De emoções revoltas...
A melancolia suspira
Perdida no teu sorriso,
O inverno da alma
Contrasta com a euforia
Do desejo latente
Que clama liberdade...
Não te percas agora,
Não te afogues
Na banalidade
Que nos persegue...
Deixa cair as máscaras,
Revela-te por inteiro
Na pureza inconsequente
Que me cativa,
Saboreia o inesperado
E segue-me...




.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Saudade

Sedenta,

                      Anseio


                                                    qUebrar


                                                                           paraDigmas,


                                                        pArtilhar


                           alvoraDas,


       Extase....