segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Bosque Secreto

O vento sussurrante chama por mim,
Por entre as árvores me conduz,
De olhos fechados sou atraída pela luz
Que brilha era após era, sem ter fim.

À minha espera estão três felinos,
Gatos pretos resplandecendo magia,
Guiam-me pelas terras da fantasia
Levando-me aos templos divinos.

Em ti encontro a paz, meu bosque secreto,
Doce esconderijo do ingrato quotidiano...
Surgem lindas Bruxas em meu redor

Sorriem com um orgulho discreto,
Pela fé da Deusa trocaram o mundano.
Juntas partilhamos conhecimento e amor...

domingo, 24 de agosto de 2008

Gelo




O silêncio ecoa no espaço,
Fecho os olhos e procuro sonhar
Com quem não consegui encontrar,
Tenho saudades de um abraço.

As partículas palpitantes espalhadas
Que restam do meu coração,
Jazem algures pedindo atenção
Mas desconhecem a quem estão destinadas...

O sol esforça-se por aquecer
Quem treme de frio na escuridão,
É demasiado cedo para beber

Novamente o elixir da paixão...
Lentamente o gelo inicia a derreter
Permitindo-me alegria no meio da ilusão.

sábado, 23 de agosto de 2008

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Awakening




Poet of Darkness,
Creature of the Moon,
I seek the fairy gloom
That leaves me breathless...

I look inside of me
And dive in despair,
The breeze caresses my hair
Bringing me the salty sea...

Breathe to me my Queen,
Bring me back to life,
I ended my disguise
And awoke from my Dream.

Rise and Shine in the sky
My Goddess of delight,
Today is the chosen night
For our past to die.

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

A Escolhida




O cavaleiro galopa através da floresta. O luar e as estrelas iluminam o caminho, deixando ver imagens fugidias das criaturas fantásticas que se movimentam no seio da noite.

Tudo está expectante e aguarda a chegada do mensageiro da profecia. Para que a história volta a fazer sentido, e as lendas tenham o desfecho esperado..... Mas...... E se...... Talvez as Parcas tenham mudado de ideias.... E se a Escolhida não quiser abdicar da sua felicidade?

Não há decisão linear, e toda a acção tem várias consequências. Que mistério se encontra escondido no Sagrado Pergaminho lacrado?

O cavalo refolga devido à cavalgada desembestada. Os mochos e as corujas esvoaçam à sua volta, acompanhando a viagem excitados. O Povo Pequeno iniciou também a sua peregrinação em direcção ao Círculo de Pedras. As luzes das suas lanternas brilham na escuridão como fogo fátuo.

O futuro é uma interrogação incerta. A Escolhida não tem conhecimento dos planos dos Antigos, mas sabe que tem de encontrar a felicidade. O caminho é tortuoso, obscuro, e com muitos entraves, mas as dificuldades que se lhe deparam apenas lhe dão mais força para seguir em frente.

A lanterna que assinala a clareira reluz ao longe, a Escolhida aguarda a chegada do Mensageiro do pergaminho Sagrado. As escolhas indifusas enleam-se com o destino, mas a Deusa guia sempre os nossos passos....

Yin e Yang




A maresia procura-me...
O ar salgado das minhas lágrimas
Envoltas pelas tuas ondas
percorrem o infinito,
Tentando em vão encontrar
Uma emoção que as deixe
Escorrer no seu rosto...
O gelo à minha volta adensa-se.
Não sinto nada.
Os olhos vidrados fixam o horizonte
Para o qual um dia
Olhei com esperança e excitação,
Para o Sol que me acariciava a pele
E cujo calor me preenchia,
Para as nuvens que a minha
Fantasia transformava em
Mil histórias fantásticas e
Poemas de um Amor correspondido.
Hoje olho para a Lua que
me ilumina as noites, e cuja
Magia sinto pulsar nas minhas veias.
Transformei-me...
Tenho saudades de mim...
Fecho os olhos e estendo-me na relva,
Procurando fundir-me com a natureza
para me sentir viva e tentar que
O vazio não me preencha completamente.
Fecho os olhos e desejo
Que o Sol e a Lua brilhem
novamente no meu mundo encantado,
E ofusquem a bruma que me envolve.
Yin e Yang.
Procuro o meu equilíbrio
Para conseguir voltar à vida.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Na Sombra






Amanhã será mais um dia

Vagueando solitária pelo vasto

Areal, contemplando a imensidão

Vibrante do oceano...

Momentos de solidão apoderam-se

Inconscientemente do meu cosmos,

Luzes brilham ao longe, faróis que

Anseio poder seguir rumo à liberdade.

Porto de abrigo de ilusões

Edificado em dunas de areia,

Basta de me fazeres deambular sem rumo!

Esta é a noite em que desesperadamente

Viajo para longe, sem destino,

Olho a lua brilhante no céu

Ávida de vida, sedenta de amor...

Magoada, vazia, confundo-me com a escuridão

Fingindo não sofrer.

Sentimentos de angústia explodem e

Iluminam a sombra em que jaz

Distante o meu coração.

Oxalá abra os olhos e desperte do pesadelo...