quinta-feira, 5 de março de 2009

Doze Anos

Doze, as badaladas
Que oiço palpitar no meu peito,
Cada compasso um beijo,
cada nota um sorriso...
 
Doze, as horas
Que aguardo o reencontro,
Que anseio pelo toque
Que se prolonga em abraço...
 
Doze, os meses
De fogo que irrompe das cinzas,
De entrega total
Ao nada que faz sentido...
 
Doze, os anos
Que a vida relembra
mas a alma celebra
E saboreia num suspiro...



10 comentários:

Lady Misha )O( disse...

Lágrimas são as que correm pela minha face agora... Muitos parabéns aos dois pelos doze anos... é preciso coragem, confiança e confidência...*
Muitos beijos para os dois*
*Amor e Luz*

Roderick disse...

Doze, os beijos que te dou. Ou não!

acqua disse...

Ah que delícia de poema, senti a emoção palpitando em minhas veias. Curiosamente lembrei-me das seis badaladas que navegam na minha pele e que em breve irá celebrar uma nova forma de tempo que eu aprendi a celebrar desde que meus passos descobriram um horizonte de olhos amendoados e que me ensinou e ainda ensina a ser melhor que ontem.
Amei, delicioso.

Ps. No próximo Coletânea Artesanal o tema será "Femina". Adoraria ter um escritor seu acerca do tema por lá.

www.coletaneartesanal.wordpress.com

Bom fim de semana...

Gothicum disse...

"O presente é a sombra que se move separando o ontem do amanhã. Nela repousa a esperança."
(Frank Lloyd Wright)

...que os próximos sejam ainda melhores...que sejam até a eternidade ou até a próxima reencarnação...Abraços

Micas disse...

Soberbo.
Beijos

Lady Alexiel disse...

Adoro este :)*

ImpossiblePrince disse...

Lindíssimo post!!!

Desnuda disse...

Maravilhoso, querida! Beijos


_***
__**_**
_**___**
_**___**_________****
_**___**_______**___****
_**__**_______*___**___**
__**__*______*__**__***__**
___**__*____*__**_____**__*
____**_**__**_**________**
____**___**__**
___*__________*
__*____________*
_*____0___0____*
_*___/__@___\___*
_*___\__/*\__/___*
___*____W_____*
_____**_____**
_______*****


FELIZZZZZZZZZ PÁSCOA!!!

Nanashi disse...

Muito bom o poema.

Dark Kisses

Porcelain Doll disse...

A dor do refúgio.. voluntário mas involuntário.. o medo da dor leva-nos a isso...e isso, por sua vez, a uma profunda insatisfação...

Bj