quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Histórias por Contar




Empunho a minha pena, e faço-a deslizar suavemente no pergaminho. O aparo arranha levemente a sua superfície, produzindo um doce murmúrio de palavras sussurradas ao vento, procurando ser ouvidas pelos nossos olhos ávidos de aventuras e fogosas histórias de amores tristes. A pena vai contando a história das donzelas que não foram famosas, e cuja existência se pautou pelos sonhos não realizados.


Encerradas na escravidão das suas masmorras, jamais tiveram a coragem de rasgar os vestidos andrajosos, subir ao alto das suas torres e clamar ao vento os seus desejos. Jamais tiveram a ousadia de olhar para a luz ao cimo das escadas, ungir o seu cabelo de perfume e subir em direcção ao apogeu do baile. Jamais sequer tiveram a audácia de se olharem ao espelho, sorrirem e brindarem à sua beleza cativante.


Viveram como sombras, sem outra razão para existir senão serem o reflexo imperfeito e deformado das que brilhavam sob os archotes. A pena agita-se na minha mão, e impaciente urge em narrar as memórias esquecidas destas vidas melancólicas, pois as suas faces foram percorridas por lágrimas hesitantes e os seus lábios exalaram tépidos suspiros...


Nas pedras do castelo ressoam as lendas das verdadeiras histórias de amor que ficaram por contar.

18 comentários:

Marcia Barbieri disse...

Linda prosa poética. as histórias não contadas sempre estão entre os melhores e mais emocionantes enredos.

beijos

Bruno Moutinho disse...

E quantas donzelas não ficam ainda na sombra da beleza? Ainda não aprendemos a ver o interior das coisas.

Belos sonhos :)

biazinha disse...

A dor de gente não sai no jornal.

Bela prosa poética!

Beijos.

acqua disse...

Fico aqui a pensar no quanto as pessoas se permitem seguir esses cursos ditados por outros. Estilizados por pessoas que precisam saber que outras sofrem do mesmo mal. E viva liberdade de ser aquilo que realmente desejamos ser.
Abraços meus

biazinha disse...

Blood:
Eu faço oficina de literatura desde 13 anos. O que vem a ser isso? A pessoa se tem algum dom, inscreve-se em módulos de narrativa ou poesia(faço os dois) para adquirir e/ou aprimorar técnica. Estou a explicar o que é por saber que não existe em Portugal, ou até existe com outro nome.
Quem é leitor incauto confunde tudo e por vezes isso me irrita profundamente. Por isso que a Bat não comenta a qualquer um e não responde a qualquer comentário.LOL!
Beijos.

Blood Tears disse...

marcia, realmente as histórias mais verdadeiras, são as que não são divulgadas, mas as que ficam por vezes enterradas no peito de alguém que chora na sua masmorra...

bruno, é na verdade uma pena que a sociedade nos tenha estilizado ao ponto de estabelecermos juízos de valor e padrões de comportamento para tuo e todos... Alguns de nós certamente fogem à regra (felizmente... ;))

biazinha, as dores e os anseios de pessoas comuns deixam de ter relevância, e isso é muito mau Eu olho à minha volta e vejo tantas pessoas a quem não se dá o devido valor, ou que se sentem menos do que as outras, porque não lhes foi dada a devida oportunidade... Acho que inconscientemente quis ser a voz que fala da injustiça também....

acqua, um grande viva às pessoas que tem a coragem nesta sociedade de serem quem são, independentemente dos rótulos que lhes possam tentar colocar...

Blood Kisses for all!

Blood Tears disse...

biazinha, obrigada pela dica... lol
De início, quem me lê também, pode pensar que tudo o que escrevo me diz respeito, mas às vezes basta uma música, um filme, uma cena que vemos na rua, para formar algo e nos exprimirmos escrevendo... Possivelmente deve haver algo do género cá, tenho de investigar. Eu comecei a escrever (coisas q sinceramente hoje já n gosto muito, lol) quando andava na escola, no 7.º ano, a inventar personagens, a delirar com as palavras, mas depois de casar deixei de ter inspiração e fiz uma longa pausa... Agora voltaram-me o gosto pela leitura e pela escrita em força, e fiquei muito feliz de ter encontrado este grupo de pessoas espectaculares e que escrevem tão bem... :)

Beijos grandes

fairy_morgaine disse...

concordo. o outono também é para mim uma das melhores estações.

MagnetikMoon disse...

Romantismo introspectivo, medieval canto.
Sonha...

Carmello Café disse...

Tarde pra caramba e eu aqui com insônia... A lua não está cheia, mas a maldição é a mesma de sempre - sétimo filho do sétimo filho, sabe como é...
Gostei desse teu texto, é o revés da aventura romântica. Me inspirou para uma futura postagem; uma letra de música (não vou dizer qual)e a música em si. Quando postar te aviso, OK?
Um beijo sangrento do seu amigo O+.
Até mais, agora vou uivar pra lua minguante...

impulsos disse...

Belíssima prosa poética, cheia de encanto e de magia.
O Outono é assim... inspirador!

Beijo

Blood Tears disse...

fairy:morgane, obrigada pela tua visita... deleitemo-nos então a saborear as cores quentes que nos colorem a vida nesta estação... :)

magnetikmoon, porque o sonho é a irrealidade que nos faz levitar para outras estratosferas.... :)

carmello, oh, o sétimo filho do sétimo filho.... lol Faz-me lembrar os livros da Juliet Marillier, e o filme "The seeker - the dark is rising"...Automaticamente sorri porque adoro tudo o que seja mágico e fantástico...:) A única coisa boa da insónia, foi então a criatividade... lol Bons sonhos

impulsos, oh, quanta inspiração nos advém das maravilhas simples da natureza que nos rodeia... :)

Blood Kisses

BL disse...

Histórias por contar... pedaços de segredos como que reflexos de um acontecer... sem aplausos, sem rosto, sem tempo.
São essas as histórias com as quais aprendemos a olhar o verdadeiro conteúdo do acontecer.

Obrigado pelos agradáveis comentários. Blood Tears passou a ser, para mim, um ponto de paragem obrigatório, parabéns.

Bruno

O Profeta disse...

Mágnifico texto com cores de Outono...


Frágil e palpitante luz
A beleza é feita de ternos murmúrios
A voz quebra a quietude do silêncio
A chuva leva a terra ao encontro dos rios

Não há fracassos no sonho
Caminhei nas nuvens para te ver do alto
Abri os braços ao relâmpago
Desci à terra, senti nos pés o frio basalto


Vem comigo escolher o caminho

Bom domingo


Mágico beijo

pianistaboxeador21 disse...

"Abraça-me. Porque a felicidade é construida a partir de todos estes pequenos momentos teus e meus".

Muito bonito e triste, mas de uma tristeza leve, resignada, sem desespero.

E o primeiro parágrafo parece uma pintura.

E tb gosto de ficar embrulhado lendo um bom livro.

Beijos,,
Daniel

Blood Tears disse...

Bruno, muito obrigada pela tua visita e pelo teu comentário... :) Já há algum tempo que venho a acompanhar o teu blog, e escusado será dizer que adoro o que escreves... Além de termos gostos literários e musicais semelhantes... :) Até

O Profeta, um poeta que responde em poesia... :) Obrigada pela sua visita, sinto-me honrada... :)

Daniel, já erspondi em cima, obrigada pelas palavras tão carinhosas.... Ai mas sim, ficar embrulhada num cobertor a ler e a ouvir a chuva lá fora... Divinal!

Blood Kisses

DarkViolet disse...

O outono é para quem deseja amar o infinito. Para quem deseja ser unicamente uma folha de cores harmoniosos, que chegam ao coração e iluminem o trilho

Blood Tears disse...

Os olhos sempre postos no infinito almejam ir mais além.... O Outono é o calor da queda que enaltece a morte....

Blood Kisses